Sobre timidez e adolescência

Oiee! Tudo bem?

Essa semana li um post no – maravilindo – blog Memorialices, que me chamou muito a atenção. Achei incrível como a Luh se abriu pra falar das suas experiências com a timidez. São por essas e – tantas – outras que amo esse mundo de blogs, onde compartilhamos sentimentos, e – melhor ainda – encontramos outras pessoas que estão enfrentando a mesma situação e os mesmos medos que nós. Encontrar pessoas assim, nos dá força e motivação pra lutar.

Vi que muitas pessoas se identificaram com esse assunto, usando os comentários pra desabafar e contar as suas histórias. Foi por isso que decidi escrever um pouco da minha também.

A minha história

Desde pequena morei – e ainda moro – em condomínio. Mesmo assim, nunca desci as escadas pra brincar lá fora. Talvez por meus pais trabalharem fora. Talvez por ter uma irmã um pouco mais nova, com quem eu podia brincar. Talvez pela minha timidez. O fato é que minha infância foi vivida no meu apartamento, com a minha irmã e uma porção de bonecas.

Assim, logo que entrei no prézinho, minha mãe foi chamada na escola porque a professora se preocupava em ver como eu brincava sozinha, lanchava sozinha e estava sempre sozinha…

No final do ano tinha feito uma amiga, a Rebeca. ♥

Fui me adaptando aos poucos e um tempo depois, tinha algumas amigas e me sentia mais confortável em compartilhar coisas com elas, até que a adolescência chegou, e minha timidez piorou.

Dessa época, me lembro que eu era a menina que ficava calada se na nossa roda de amigas surgisse outra pessoa.

Lembro que, por muitas vezes, deixei de falar o que eu pensava. Eu começava a formar as minhas próprias opiniões, mas guardava todas só pra mim e meu maior confidente, que era o meu diário em inglês.

Lembro de sentir vergonha por perceber o meu corpo se desenvolvendo e de ser considerada a “esquisita” por não aceitar a ideia de “ficar” com alguém.

Passei muito tempo ignorando a voz dentro de mim que gritava “algo tá muito errado”, e guardei toda a minha bagunça emocional lá no fundo. Até que um dia o peso se tornou demais pra eu carregar sozinha e começou a transbordar pelos olhos, tirar meu sono, roubar meu ar…

Eu estava no último ano de faculdade, quando a minha vida virou um caos. Essa foi a fase mais difícil que vivi. E quando já não conseguia mais esconder a bagunça que estava aqui dentro, procurei ajuda.

Fiz 1 ano e meio de terapia e aprendi a me escutar, respeitar aos meus limites e aceitar que não sou de ferro. E não preciso ser.

A timidez me fez mal, mas – se é que isso faz sentido – também me fez bem:

Aprendi a valorizar a amizade e entender que existe diferença entre “amigo” e “colega”.

Por quase nunca sair de casa durante o ensino médio, estudei bastante e consegui uma bolsa integral na faculdade, pra Farmácia, curso que meus pais jamais poderiam pagar.

E dei meu primeiro beijo depois de todas as minhas amigas, aos 14, no meu segundo dia de namoro. Mas foi muito especial! Rsrsrs… Obrigada por ter tanta paciência comigo, Will. ♥

Não acredito que ser desinibido seja melhor do que ser tímido. Acho que o mais importante é respeitar nossos sentimentos e dar à eles a devida atenção, porque não adianta parecermos inteiros por fora, se estamos mutilados por dentro.

Hoje, falo pelos cotovelos, sei como é importante escutar a minha voz interior e estou atenta pra ver os primeiros sinais de bagunça por aqui.

Me sinto bem mais forte e confiante. Talvez não seja – nem nunca serei – forte o suficiente pra resistir a esse mundo insensato e insensível, mas aprendo – a cada dia – a lidar com meus dias chuvosos.

Fiquei tímida em postar esse texto pra todos verem, mas acho que – só talvez – você aí do outro lado da tela pode estar enfrentando os mesmos medos que eu, e uma palavra amiga pode vir em boa hora.

Você se considera tímida? Quer compartilhar uma história? Me conta nos comentários! Ou se preferir, me manda um email, é só clicar ali em cima, em “contato”! ;)

Força, menina!

Beijão! ♥

12 respostas
  1. Emy
    Emy says:

    Oi Bia! Eu me considerava uma pessoa tímida, mas na verdade descobri que sou uma pessoa introvertida – aquela que prefere ficar sozinha, mas porque se sente melhor assim. Eu até que fazia amizade com facilidade, mas eu não era a que tomava a iniciativa rs.
    Acredito que são situações parecidas, porque querendo ou não, às vezes as pessoas não entendem esse nosso “jeito” de ser. Aliado à minha introspeção, também existia o medo de me expor. Na escola, no curso… Por mais que eu soubesse a resposta, eu simplesmente não tinha coragem de abrir a boca para falar. Isso acaba fazendo mal, porque não diz respeito somente à assuntos disciplinares, na vida mesmo, deixei de falar muitas coisas que pensava por medo e acabava guardando tudo para mim. E guardar tudo dentro de si é a pior coisa que existe… Hoje em dia eu falo um pouco mais, mas acho que não da maneira que gostaria ainda.

    Gostei muito do seu texto <3

    Beijos!

    Responder
    • Bia
      Bia says:

      Oi Emy, lindinha!
      Não sabia muito a diferença entre timidez e introversão, mas “dei um Google” e entendo o seu ponto de vista, e me identifico também.
      Eu sei bem como guardar tudo pra si é ruim… E o mais difícil é que, se a gente não se cuidar, só tende a piorar…
      Mas aprender a chegar ao equilíbrio é um exercício diário, e acredito que a cada dia, fica mais fácil.

      Fico tão feliz em saber que gostou! :D
      Mil beijos! ♥

      Responder
  2. Karoline Lima
    Karoline Lima says:

    Oii, Bia. Ah, eu vi esse assunto no seu storie, e pensei “tenho que ler” hihi.
    Até hoje me considero uma pessoa tímida. Sou aquela que fala muito em casa, mas quase nada quando está por aí. Posso estar com amigos, colegas, mas sempre guardo minha opinião e não costumo ficar falando. Sou tímida até falando por ligação e.e
    Isso me atrapalhou muito no ensino médio – que conclui ano passado – porque eu tinha vergonha até de apresentar trabalho, então praticamente todos foi eu esquecendo o assunto, tremendo e falando baixo.

    Estou pensando seriamente em procurar terapia também, está afetando outras áreas da minha vida. Não tá legal.
    Amei você compartilhando sua história com a gente <3 isso foi especial.

    Responder
    • Bia
      Bia says:

      Oi Karol!
      Que bom que veio ler o post! Fico muito feliz! :)
      Eu sei como é ser tímida até por telefone! Hahaha!
      Parece bobeira, mas eu e meu namorado sempre discutíamos pra ver quem ligava pra pizzaria!
      Apresentar trabalho é uma das partes mais complicadas: ter platéia, ser o centro das atenções e estar sendo avaliada! Tudo junto! X(

      Muitas pessoas têm preconceito com terapia. Acham que é coisa de gente maluca, que é frescura… Mas quando deitamos pra dormir, só nós sabemos o que se passa por dentro.
      Eu confesso que tbm tive uma certa resistência, mas vi que só tinha a me ajudar. E sou muito grata por cada passo que dei durante a terapia.
      Até hoje, em algumas situações, lembro dos exercícios de respiração, de relaxamento… Me fez muito bem! E se vc acha que seria legal pra vc, vá em frente e não ligue para o que os outros possam pensar.

      Que bom que gostou do post! ^.^
      Acho que precisamos discutir mais sobre essas coisas que muitas vezes são difíceis de falar em alta voz. Em casos assim – pelo menos pra mim – escrever é mais fácil e mais produtivo.

      Responder
  3. William
    William says:

    Oi Bia!

    Gostei muito do texto e, como você já sabe, me identifico bastante. Mas assim como você, tento tirar proveito disso, olhar o lado bom, ele existe.

    Geralmente pessoas introvertidas são mais focadas, se preparam melhor para situações, são mais detalhistas, e porque não mais criativas!? Eu me sinto assim, por vezes por não fazer parte da “bagunça”, consegui focar em coisas que outras pessoas não conseguiam enxergar.

    Obs. Que bom que fiz e faço parte desta história!

    Bjos!

    Will

    Responder
    • Bia
      Bia says:

      Sim! Existe um lado bom, mor!
      Sinto a mesma coisa. Foi bom manter o foco, em meio à tantas outras opções.

      Sou muito grata por ter encontrado você, que me entende tanto! ♥

      Beijos, gatinho!

      Responder
  4. Melina Souza
    Melina Souza says:

    Ótimo post, Bia ♡
    É sempre bom quando conseguimos compartilhar um pouco da nossa experiência na internet porque com certeza pelo menos uma pessoa vai se identificar :)
    Eu me considero uma pessoa tímida e até hoje as pessoas estranham quando eu falo que sou tímida. Sempre escuto “tímida? mas você grava vídeos e posta um monte de coisas na internet!”. Sempre falo “sim, eu gravo vídeos, mas quem tá ali no quarto comigo enquanto faço isso é só a minha câmera e no máximo meu namorado. E sou eu quem vai decidir se as outras pessoas vão ou não poder ver o vídeo” hehe :)
    :*

    Responder
    • Bia
      Bia says:

      Fico muito feliz que tenha gostado do post, Mel!
      Eu tbm fico envergonhada quando alguém assiste um vídeo meu! >.< E tenho muuuita vergonha gravar na frente de outras pessoas, até do Will... Espero que isso passe logo! Acho que é por isso que sempre preferi escrever... Parece mais fácil pra mim. P.S.: Eu amo seus vídeos! ♥

      Responder
  5. Luana Souza
    Luana Souza says:

    Bia, fico muito feliz que tenha gostado do meu poste se inspirado a fazer esse. Desculpa não ter comentado antes, mas é que eu viajei e aconteceu aquele monte de coisa… ainda estou um pouco abalada, mas tentando por minha cabeça em ordem.

    Bom, quanto ao que você escreveu, eu simplesmente adorei. Como você disse, ler experiências de outras pessoas podem ajudar com os problemas que você mesma enfrenta. Como eu disse lá no meu blog, eu ainda sou bem retraída, não consigo conversar com pessoas demais. Volta e meia eu começo frases e não termino. Às vezes eu acho que, por conta da timidez, eu tenho diálogos inteiros com as pessoas na minha cabeça, e lá tudo fica bem resolvido, mas quando tento externar não consigo. É difícil escutar que você é “esquisita” no sentido ruim da palavra, mas a timidez também me ajuda em alguns pontos. Eu espero conseguir me livrar das amarras que me prendem um dia!

    Adorei tudo por aqui <3 as fotos estão um amor!

    Responder
    • Bia
      Bia says:

      Que prazer te ver aqui, Luh!
      Não se preocupe, espero que vc e sua família estejam melhores!

      Eu fazia muito isso, de imaginar conversas… E vc vai se livrar de todas essas amarras, vai ver! :)

      Obrigada, lindinha! ♥

      Responder
  6. Clayci
    Clayci says:

    Também acho que não existe isso de melhor ou pior, O ideal é saber respeitar e aceitar que todos tem seu tempo. Muito bom o seu relato. Não me considero uma pessoa tímida, Mas nunca curti ficar entre as pessoas mesmo rs.. vai entender.

    Beijos

    Responder

Comente aqui!

Quero saber a sua opinião
=)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários